Destaques
Posts mais recentes
Facebook
Twitter
Print Friendly

Janguiê Diniz2016Janguiê Diniz
Diretor presidente da ABMES
Reitor da UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau

Fundador e Presidente do Conselho de Administração do Grupo Ser Educacional
janguie@sereducacional.com
***
A Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior – ABMES completa 34 anos de história. Uma trajetória que, inicialmente foi construída por um grupo de 32 mantenedores liderados pelo ilustre professor Cândido Mendes de Almeida, que, na década de 1980, decidiu criar uma associação que representasse a categoria nacionalmente e que lutasse pelos interesses das instituições de ensino superior particulares.

Desde então, o grupo cresceu e chegou aos mais de 1200 mantenedores e mantidas que, hoje, estão unidos para debater e buscar melhorias contínuas, não apenas para o setor de ensino superior particular, mas também para a sociedade brasileira que necessita de acesso contínuo à educação. Ao longo desses 34 anos, o trabalho da ABMES é de contribuições assertivas nas discussões e no encaminhamento de grandes temas pertinentes ao desenvolvimento da educação, buscando, sempre, propostas viáveis ao governo e garantindo que os mais de sete milhões de estudantes do setor continuem sendo beneficiados.

Leia mais »

 
Print Friendly

Antonio OliveiraAntônio de Oliveira
Professor universitário e consultor de legislação do ensino superior da ABMES (1996 a 2001)
antonioliveira2011@live.com
***

Todo o mundo conhece alguma coisa, mas quase ninguém se pergunta o que é conhecer. Conhecer é apreender a verdade, ainda que parcialmente. É não romper o pacto com a ciência, com a educação, em todos os níveis, desde a educação informal, a distância ou presencial, até o máximo sem limite, acumulando o que não sei de “coisas que eu sei” ou “quase que nada não sei”. Nessa missão se empenha a ABMES, especialmente na área do ensino superior, há 34 anos.

Nosso mundo e nossa pátria podem não estar abertos à visitação da verdade. À verdade opõe-se a ignorância, literalmente, ausência de conhecimento; ou a mentira, negação da verdade, inverdade. Nesse caso, em vez de um pacto com a verdade, tem-se por pai o diabo que, segundo o evangelista João, não se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira. O Livro dos Provérbios já lembrava que o justo detestará a palavra mentirosa, mas o ímpio confunde, e será confundido. Dizem também que é coisa do diabo a crítica negativa, destrutiva, que, em vez de motivar, desestimula a aprendizagem, quando não a bloqueia. E quantos casos por aí afora! Verdadeiros crimes em nome de uma pseudopedagogia. Isso faz pensar, não?!

Para Benjamin Disraeli, ter a consciência de que se é ignorante constitui grande passo em busca de toda verdade, hoje, então, com o auxílio do Doutor Google. O mundo padece de dualismos, ricos e pobres, esquerda e direita, extremistas, racistas reacionários e visionários intransigentes e utópicos. Conciliar o válido com o viável é fundamental.

Para os bem-intencionados a vida é uma aprendizagem constante e uma constante retificação, balanço de acertos e erros, de perdas e danos. Nessa balança, tenho certeza, o prato dos acertos da ABMES sobrepuja suas eventuais limitações. Vale a pena continuar lutando, pelejando duras pelejas, obstinadamente, por essa nobre causa.

 
Print Friendly

Valmor BolanValmor Bolan
Doutor em Sociologia
Especialista em Gestão Universitária pelo IGLU (Instituto de Gestão e Liderança Interamericano) da OUI (Organização Universitária Interamericana) com sede em Montreal, Canadá
Representa o Ensino Superior Particular na Comissão Nacional de Acompanhamento e Controle Social do Programa Universidade para Todos do MEC
***

Os Jogos Olímpicos são sempre um espetáculo de beleza, que empolga a todos, pelo nível de exigência a cada atleta, que chega para dar o melhor de si, em sua modalidade esportiva. Cada um dedica anos de treinamento intensivo param se prepararem àquele grande momento, muitas vezes, apenas alguns minutos, para, aos olhos do mundo, mostrar a sua capacidade técnica, disciplina, concentração, esforço e habilidade.

Os que chegam ao pódio sabem o percurso que fizeram, e bater recordes não é fácil. Mas deve prevalecer o espírito da competição com o respeito a cada pessoa que participa do grande evento esportivo. Muitas vezes, gestos humanos de valorização da pessoa valem mais do que uma medalha. Leia mais »

 
Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics
Página 1 de 61712345...102030...Última »