Destaques
Facebook
Twitter

Arquivo da categoria ‘Carreira e mercado de trabalho’

Print Friendly, PDF & Email

Gabriel Mario Rodrigues2Gabriel Mario Rodrigues
Presidente do Conselho de Administração da ABMES
***

Você não sente nem vê/ Mas eu não posso deixar de dizer, meu amigo/ Que uma nova mudança em breve vai acontecer/ E o que há algum tempo era jovem e novo, hoje é antigo/ E precisamos todos rejuvenescer/ (…) No presente, a mente, o corpo é diferente/ E o passado é uma roupa que não nos serve mais. (Belchior)

 O aquecimento global, a globalização, os avanços da neurociência, da tecnologia, da medicina e da psicologia social são estímulos para repensarmos não só nossas escolhas econômicas e políticas, mas toda nossa forma de atuação no mundo e sobre o mundo. Parodiando Belchior, os modelos do passado já não nos servem mais.

No paradigma moribundo em que a maior parte das nações ainda vive, vigora o conceito de homem essencialmente egoísta, conduzido pela punição e pela competição, que visa ao lucro (resultado) imediato, importando-se mais com o presente e negligenciando/comprometendo inúmeras vezes o futuro do planeta e das futuras gerações. A esse conceito contrapõe-se o do ser humano essencialmente altruísta e colaborativo, estimulado pela curiosidade e pela cooperação que o novo milênio exige.

Leia mais »

Compartilhe:
Avaliar
Print Friendly, PDF & Email

Wanda Camargo
Assessora da presidência e coordenadora de projetos culturais do UniBrasil Centro Universitário
Pesquisadora de teorias da aprendizagem

***

A complexidade do conhecimento adquirido pela raça humana ao longo de toda a civilização, a profundidade que atingimos em algumas áreas do saber, a interligação entre fenômenos físicos e químicos, para não falar no avanço de nossas noções sobre antropologia e psicologia, com certeza necessitariam um sistema educacional muito mais eficiente que aquele que possuímos hoje no Brasil.

Transmitir esta soma de saberes numa escola ainda dividida em “disciplinas”, como se cada uma fosse isolada da outra, crendo possível aprender história sem o mínimo conhecimento de onde aconteceu – geografia – porque aconteceu – sociologia – o que havia de condicionantes para o fato – economia e política -, para ficar num pequeno exemplo, mostra o quanto nosso paradigma reducionista é extremamente limitado, não permitindo a real compreensão dos fatos.

Leia mais »

Compartilhe:
Avaliar
Print Friendly, PDF & Email

Foto: Daniel DereveckiDaniel Medeiros
Doutor em Educação Histórica pela UFPR, Consultor de conteúdos em Humanidades e professor no Curso Positivo, em Curitiba
***

Minha primeira professora se chamava Adla. Só depois de muitos anos percebi que seu nome é quase “Aula”. Não lembro o que ela me ensinava, mas sinto que devo tudo o que sou a ela. Eu era um menino de família pobre, que queria muito saber ler para descobrir o que se passava nas revistas e nos poucos livros da casa. Meu pai estudava algo naquele tempo e, por vezes, deixava folhas cheias de frases sobre a mesa. Eu as pegava e fingia que lia, passando o dedo sobre as palavras e dando inflexões de surpresa ou angústia, raiva ou comicidade. Ali eu era a pessoa que eu queria ser.

Um dia, lembro de ouvir minha mãe me dizer: “esse ano você vai para a escola. Venha cá que vou tirar as medidas do teu uniforme”. Salto na minha memória. Lembro-me agora do ônibus que me apanhou para levar ao grupo escolar e minha mãe me dando adeus. Eu ia duro naquela camisa branca e aquele short azul escuro, um caderno verde esmeralda na mão e um lápis com uma borracha em forma de gota na ponta. Diz minha mãe que sequer olhei para ela e que ficou balançando a mão feito tonta. Mãe. Mão. Âncora de toda a vida.

Leia mais »

Compartilhe:
Avaliar
Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics