Destaques
Facebook
Twitter

Arquivo da categoria ‘Economia’

Print Friendly, PDF & Email

Janguiê Diniz2016Janguiê Diniz
Diretor presidente da ABMES
Reitor da UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau

Fundador e Presidente do Conselho de Administração do Grupo Ser Educacional
***

Um estudo publicado recentemente na Fast Company e elaborado pela startup Expert Market, baseada no Texas (EUA), indicou o Brasil no quinto lugar, em uma lista de 15 países quando o assunto são os empreendedores mais determinados do mundo. A pesquisa indicou os países nos quais, mesmo com todas as dificuldades enfrentadas para empreender, há um alto número de negócios criados em 2016.

O ranking surgiu de um levantamento do Banco Mundial com 130 países que define qual a dificuldade em cada um deles para empreender. Foram analisados três fatores: o tempo até registrar oficialmente um novo negócio; o tempo até tomar todos os procedimentos necessários para o negócio estar funcionando; e os custos básicos.

Leia mais »

Compartilhe:
Avaliar
Print Friendly, PDF & Email

José Pio MartinsJosé Pio Martins
Economista e reitor da Universidade Positivo
***

Em abril de 2014, a revista The Economist afirmou que “os brasileiros são gloriosamente improdutivos”. Essa declaração provocou reações iradas nos meios políticos. Como sempre, pipocaram as declarações bombásticas e as ofensas direcionadas à revista, em detrimento da análise técnica sobre o porquê da afirmação. Na época, muito se falou sobre o tema, ficando para as publicações especializadas as melhores análises fundadas na realidade e com base em métodos científicos.

Produtividade é a quantidade de produto feita em uma hora de trabalho humano. Para o país como um todo, é o total do Produto Interno Bruto (PIB) dividido pela quantidade de horas trabalhadas pela população. Atualmente, a produtividade no Brasil não passa de US$ 12/hora, enquanto nos Estados Unidos é de US$ 56/hora. Não é preciso sofisticação matemática para saber que o padrão médio de bem-estar social por aqui equivale a um quinto dos EUA. Leia mais »

Compartilhe:
Avaliar
Print Friendly, PDF & Email

Janguiê Diniz, Celso Niskier e Lioudmila Batourina*
***

The Brazilian private education sector is one of the largest in the world. The demand for education in the country is so high that with relevant support from the government, private universities keep expanding. In the traditional higher education community, most think of private education in terms of business rather than of a national plan, with a critical focus on their quality. With nonprofit institutions also engaged in creating profits by means of various courses and projects, there is no end to the discussion about for-profit and nonprofit education. In Brazil, meanwhile, the national test of graduates (ENADE) reveals a wide range of quality in both the public and private sectors, where the great motivation of students from for-profits makes them show strong results. Private universities, as a part of the National Program, often undergo rigid quality checks. In the majority of cases, the teaching staff of these universities are employed at federal and state institutions, while the students, mainly from the low-income social strata, have a high motivation to study. Leia mais »

Compartilhe:
Avaliar
Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics