Destaques
Facebook
Twitter
Print Friendly, PDF & Email
Luciene Leszczynski
REVISTA ENSINO SUPERIOR – EDIÇÃO 141
***

Para especialista chileno, no futuro haverá uma nova definição de universidade, com a divisão dos papéis das instituições

Numa perspectiva em que a qualidade de uma instituição de ensino está diretamente relacionada ao papel que a educação superior cumpre para o aprimoramento pessoal e o desenvolvimento da sociedade como um todo, a busca por parâmetros de qualidade está muito mais relacionada à missão à qual cada instituição está atrelada e ao atendimento de sua função correspondente do que ao propósito meramente qualitativo. Assim entende Kiyoshi Fukushi Mandiola, membro avaliador da Comissão Nacional de Acreditação do Chile, órgão que avalia a coerência dos programas das instituições de educação superior daquele país.

Na ocasião de sua visita a São Paulo para participar de seminário internacional sobre as novas dinâmicas da educação superior, em abril, Kiyoshi conversou com a revista Ensino Superior para falar de qualidade e inovação da gestão nas instituições de ensino. Com 25 anos de experiência em planejamento, implementação e gestão de instituições de educação superior, Kiyoshi é o vice-reitor de Aseguramiento de la Calidad (controle de qualidade) da Universidade San Sebastian.

Leia mais »

 
Print Friendly, PDF & Email
(*) Guiomar Namo De Mello
Diário do Povo/PI (Opinião) – 15/07/2010
***

Permeia o imaginário pedagógico brasileiro a visão do ensino como um processo de criatividade perpétua no qual o professor inventa e reinventa tudo de novo, todo dia.

Essa visão ignora que o ensino, embora seja uma prática sujeita ao “toque” pessoal, como toda prática, tem um lado estruturante: precisa ser organizado no tempo e no espaço; o professor precisa saber o que ensinar (conteúdos); quando (ano escolar, série ou período); como ensinar (conjunto de saberes e fazeres que envolvem métodos e orientações para organizar a aula) e com que ritmo (ordenação e cadência).

Para quem domina bem o conteúdo e a forma de ensiná-lo, a estruturação será um roteiro básico a ser adotado de modo flexível. Para o inexperiente ou que não sabe ensinar porque não aprendeu, a estruturação é a salvação de seus alunos: ajuda o professor a cumprir um roteiro de ações e procedimentos que propiciam aprendizagem aos alunos que estão na escola hoje, e facilita que ele acumule experiência e conhecimentos práticos, para ser mais criativo no futuro.

Leia mais »

 
Print Friendly, PDF & Email
Profa. Dra. Leda R. Castilho
COPPE/UFRJ
***

TEXTO SUBMETIDO A “O GLOBO”:

Ilmo. Sr. Editor d’O Globo:

Foi com surpresa e indignação que li a reportagem (com chamada de 1ª página) de domingo, 11/7/10, intitulada “Ensino superior, mas nem tanto”. A matéria toma exemplos isolados para destacar apenas aspectos negativos da Universidade Federal do Rio de Janeiro, ignorando o excelente desempenho apresentado pelos seus egressos em concursos e em provas nacionais como o ENADE, desempenho este confirmado pela preferência do mercado de trabalho por profissionais formados na UFRJ.

Mostrando números oriundos de uma única fonte, a matéria ignora dados públicos disponíveis no site da PR3-UFRJ que demonstram que, em 2009, foram iniciadas e/ou licitadas inúmeras obras (salas de aula, restaurantes universitários, bibliotecas, etc.), financiadas pelo programa do governo federal REUNI, de expansão das universidades federais. A matéria ignora, ainda, que a adesão ao referido programa foi voluntária e amplamente discutida nos colegiados de cada uma das faculdades envolvidas. Nenhuma decisão de aumento de vagas foi tomada de forma irresponsável. A contratação, somente em 2010, de 500 novos professores, e o aumento em cerca de 10 vezes (de 3,6 para 34,6 milhões de reais), entre 2003 e 2008, das verbas de investimento repassadas pelo governo federal à UFRJ, são uma prova disso.

Leia mais »

 
Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics
Página 804 de 841« Primeira...102030...802803804805806...810820830...Última »