Destaques
Patrocínio
Facebook
Print Friendly, PDF & Email

Celso Niskier
Diretor presidente da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES)
Reitor do Centro Universitário UniCarioca
Estadão, publicado em 4 de dezembro de 2019
***

Assim que a modalidade de Educação a Distância (EAD) iniciou sua virtuosa curva de crescimento no Brasil, dobrando sua participação no total de ingressantes na educação superior, entre 2010 e 2018, cresceram também os mitos e preconceitos contra a EAD, que é uma tendência mundial. Um dos principais argumentos levantados contra a expansão da EAD, a qualidade dos cursos ofertados, sofreu um duro golpe após a divulgação dos resultados do Enade 2018 (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes).

Em uma análise detalhada dos resultados, um dado chama bastante atenção: entre 21 cursos privados oferecidos sequencialmente de 2015 a 2018, nas modalidades presencial e EAD, o desempenho dos alunos da Educação a Distância foi superior à presencial em 14 deles. Somente quatro cursos presenciais obtiveram resultados superiores aos cursos EAD, enquanto que em outros três, houve empate.

O levantamento, que foi realizado pela consultoria Atmã Educar, inclui cursos de peso para o mercado de trabalho, como administração, ciências contábeis, relações internacionais, secretariado executivo, turismo, serviço social e direito.

A notícia chega em boa hora e mostra o acerto do setor privado de educação superior brasileiro, que vem utilizando cada vez mais as ferramentas e tecnologias de expansão do ensino EAD, gerando oportunidades de formação superior para milhares de brasileiros e conectando o país às tendências e inovações tecnológicas mundiais.

É preciso desmistificar o entendimento de que não existem atividades presenciais para o desempenho das práticas necessárias nos cursos ofertados na modalidade EAD. As atividades práticas são previstas em perfeita consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais e os projetos pedagógicos dos respectivos cursos. Deste modo, não existe graduação 100% a distância para cursos na área da saúde, por exemplo. A carga horária prevista para essas atividades é realizada presencialmente de forma obrigatória.

Portanto, a Educação a Distância é essencial para que o país continue sua caminhada em direção às metas do Plano Nacional de Educação (PNE) que estabelecem para 2024 o objetivo de termos 33% dos jovens de 18 a 24 anos matriculados no ensino superior. Hoje esse percentual é de 21,7%.

Em um país de dimensões continentais, com um dos menores índices globais de escolarização superior, é fundamental a existência de um sistema educacional híbrido, combinando atividades e cursos presenciais e à distância, que assegure o acesso e permanência do maior número possível de estudantes ao ensino superior, especialmente em um momento de grandes desafios econômicos.

Avaliar

Deixe uma resposta

Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics