Print Friendly, PDF & Email

Para homenagear os professores de todo o Brasil, a ABMES publica uma sequência de artigos que resgatam sob pontos de vista diversos o importante papel que desempenham. 

Sergio Abreu reverencia a memória de Monina Távora 

Ao comunicar o falecimento, aos 90 anos, da violonista argentina Adolfina Raitzin Távora, no dia 17 de agosto de 2011, Sérgio Abreu escreveu um belo, profundo e emocionado depoimento sobre a grande artista e sua professora de violão, cuja íntegra, após sua gentil autorização, temos a honra de publicar. Além do depoimento – por meio do qual descreve a trajetória de sucesso, o grande talento, personalidade marcante de sua mestra bem e marcas  e ensinamentos deixados por ela na sua vida de violonista e luthier – Sergio Abreu presenteia os leitores com duas das primeiras gravações inéditas feitas por “Dona Monina”, no violão fabricado por ele: “Balada para Martin Fierro” do compositor argentino Ariel Ramirez e “Milonga Triste” do também argentino Agustín Piana. 

 Sergio Abreu, nascido no Rio de Janeiro, em 5 de junho de 1948,  formou com o seu irmão Eduardo Abreu, nas décadas de 1960 e 1970, o maior duo de violões de sua época. Em 1967, Sergio foi o mais jovem violonista, até então, a ganhar o mais importante concurso de violão do mundo, o da ORTF, em Paris. Em 1975, no auge da carreira, o duo se desfaz e Sergio continua com a carreira solo até 1982 quando também decide parar para se dedicar à lutheria, tornando-se então o mais famoso luthier brasileiro da atualidade. 

____________________________________________________________________________________________ 

Comemoração ou Professora Matilde e Jobs  

Quem não se emociona ao relembrar a primeira professora? Passados tantos anos, Édson Franco demonstra imenso carinho pela velha professora Matilde que o alfabetizou e o fez ler os primeiros livros. Ela certamente sentiria um grande orgulho do mestre e gestor renomado em que se transformou o seu pequeno aluno. Edson faz uma interessante analogia entre Matilde e Jobs e conclui que “cada um no seu tempo cumpriu a sua missão. (…) Da mesma forma com a qual a minha Matilde tremeria diante dos ibooks, Jobs acharia dramática a pobreza das escolas desse imenso Brasil”. 

Advogado, jornalista e professor universitário, Édson Franco ocupou os cargos de presidente da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) e de reitor da Universidade da Amazônia. Atualmente é diretor da Faculdade de Estudos Avançado do Pará. Édson é autor de inúmeros artigos e dos livros: “Utopia e realidade: a construção do projeto institucional no ensino superior” (1988) e “Em busca da identidade no ensino superior particular: uma experiência pessoal” (2004). 

_______________________________________________________________________________________________ 

Dia do Professor 

Antônio de Oliveira declara em seu artigo estar “matriculado na escola da terceira idade – revendo conceitos  e refazendo deveres de casa. Revendo conteúdo ou técnica; linguagem ou estética; postura ou ética.” Em outras palavras, Antônio continua sendo um professor. Atento para o mundo novo, citando Rubem Alves, Antônio afirma que o professor deverá se dedicar a apontar os assombros que crescem nos desvãos da banalidade cotidiana. Para ele o Dia do Professor não é mais para discursos nem falas e sim hora de lembrar e cobrar atos e fatos, sobretudo das autoridades para a áreas de educação, saúde e transporte coletivo.  

Antônio de Oliveira é professor universitário e foi consultor de legislação do ensino superior da ABMES (1996 a 2001). 

____________________________________________________________________________________________ 

Professor, elo de amor 

Em seu artigo, Valmor Bolan ressalta que mesmo com os desafios e dificuldades para exercício do magistério em nosso país, os professores conseguem exercer seu importante papel, dedicando a vida à educação, “um ofício realmente nobre, dotado de uma grande dignidade, imprescindível para o bem de toda a sociedade”. Ele reforça que o professor, a quem devemos nossa gratidão e respeito, é mais do que um mestre do saber, mas um cultivador de humanidade  e precisa ser valorizado, “buscando medidas que efetivamente contribuam para que haja mais incentivo e apoio, àqueles que forjam as inteligências do nosso País”.

Valmor Bolan é Doutor em Sociologia e Presidente da CONAP (Comissão Nacional de Acompanhamento e Controle Social do Programa Universidade Para Todos – ProUni).

Avaliar

Deixe uma resposta

Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics