Sobre : Antonio de Oliveira

Nome Completo: Antônio de Oliveira
Site:
Detalhes:

Artigos do(a) Antonio de Oliveira:

    Antonio OliveiraAntônio de Oliveira
    Professor universitário e consultor de legislação do ensino superior da ABMES (1996 a 2001)
    antonioliveira2011@live.com
    ***

    Além do silêncio, o que mais se aproxima na tentativa de expressar o inexprimível é a música. Pensamento de Aldous Huxley. Há músicas indescritíveis: sacras, clássicas, populares. Sensação, arrepio, enlevo ao ouvir certas composições que não são músicas apenas para os ouvidos. Penetram profundamente n’alma. E fazem que, ouvindo o que os ouvidos não se cansam de ouvir, possamos ondular acordes “num voo angélico para as altas esferas” e levitar, acima do assento, nosso corpo ouvinte.

    Prelibar, antegozar o Céu. Para os que creem, apenas um modo analógico de dizer. Como se lê de Paulo aos Coríntios: ”Olho algum jamais viu, ouvido algum nunca ouviu e mente nenhuma imaginou…” Ou subindo ao sétimo céu, estado de felicidade plena, no paraíso. Segundo o islamismo, sete são os céus, superpostos. O sétimo é o céu de Alá, presidido pelo patriarca Abraão.

    Leia mais »

    Avaliar

    Antonio OliveiraAntônio de Oliveira
    Professor universitário e consultor de legislação do ensino superior da ABMES (1996 a 2001)
    antonioliveira2011@live.com
    ***

    Vovó Isa não tinha mais o que inventar para distrair nossa netinha de quatro anos. Aí, então, inventou mais um teatrinho: O Sol e a Lua. Elisa escolheu ser o Sol. Enquanto cada uma improvisava coreografia e texto, ensaio valendo como interpretação, fiquei pensando nesse fenômeno de todo dia, de toda noite. Do dia e da noite, de noite e de dia. Todo dia renasce o Astro Rei. Não apenas no seu dia, Sontag, Sunday…

    Fez-se tarde. Fez-se manhã. Primeiro dia da criação. Exista a luz. “Fiat lux.” A luz era boa e bela. Foi separada das trevas. A luz, “dia”; as trevas, “noite”. O dia, para os egípcios, começava pelo ocaso; para os persas, com o nascer do Sol; para os atenienses, a partir da sexta hora do dia; segundo os romanos, à meia noite. Hora do galicínio, galicanto, hora matutina em que os galos cantam. Antes que o galo cante três vezes, tu me negarás, disse Jesus a Pedro. E assim se deu. O que de melhor que a luz? Então, seja luz! Vós sois a luz do mundo. “Licht, mehr Licht”, Luz, mais luz, últimas palavras atribuídas a Goethe. O mito da caverna de Platão só admitia claridade fora da caverna.

    Leia mais »

    Avaliar

    Antonio OliveiraAntônio de Oliveira
    Professor universitário e consultor de legislação do ensino superior da ABMES (1996 a 2001)
    antonioliveira2011@live.com
    ***

    A música transpõe, a bordo, oceanos e mares. Corta os ares de navegação doméstica e internacional.  Linguagem de comunicação internacional. Viaja-se com a Garota de Ipanema. As pessoas diferem, entre si, quanto à nacionalidade, preferências, tipo de cultura e desenvolvimento, nível de maturidade e autonomia, idioma, traços de personalidade. Muito há em comum. Com a internet, as distâncias se encurtam. No plano da linguagem musical, com mais facilidade ainda, pois não há a barreira do idioma. Músicas de qualidade não envelhecem.

    Alguns ritmos são tocados no mundo inteiro. Canções africanas e de outras nacionalidades se fazem acompanhar de vibrantes danças. No Brasil, “quem não gosta de samba bom sujeito não é. É ruim da cabeça ou doente do pé”. “Atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu.” Os argentinos se destacam pelo tango. A Colômbia é conhecida como terra de inúmeros ritmos. Norte-americanos adoram rock e blues music (B.B. King), jazz (Armstrong). Kicker é uma dança típica texana. O funk é de origem norte-americana. Os italianos cultivam suas tarantelas; os poloneses, a mazurca, os portugueses, o fado, os escoceses, suas gaitas de fole, os suíços e montanheses do Tirol, a tirolesa. Outros povos cultivam a salsa, o merengue, o pop, o bolero, o flamenco, a polca. Cantores famosos, bandas, orquestras, música clássica. Atualmente, a escala de voz de Dimash Kudaibergen, um cazaquistanês, é de seis tons e nove semitons e vai do barítono ao soprano, sem dificuldade. Além de cantar em nove idiomas, é compositor e multi-instrumentista. Leia mais »

    Avaliar
Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics