Arquivo da categoria ‘Especialização e aperfeiçoamento’

Prof. Rafael Villas Bôas*
Consultor de marketing educacional e editor do blog “The Campus Experience”
***

É possível sistematizar o marketing para instituições de ensino, segmentando-o em três grandes gestões, sinérgicas e complementares, mas independentes e sujeitas a indicadores individuais. Seriam a “Gestão da Comunicação”, a “Gestão Comercial” e a “Gestão do Relacionamento” e seu fluxo funcionaria segundo o diagrama abaixo:

 

Leia mais »

Avaliar
Prof. Domingo Hernández Peña
Escritor, professor de Turismo, Honoris Causa pela Anhembi Morumbi, e consultor de Comunicação
***

Seria bom que todos nós, gente de letras e números, pudéssemos saber o que é um aluno. Um aluno é, por acaso, um “cliente”? Algumas campanhas de marketing e de publicidade, feitas pelo Ensino Superior para atrair alunos, são bastante parecidas às campanhas de marketing e de publicidade de qualquer supermercado ou clube de recreio. São iguais na estética, na linguagem e na falsidade (ou exageração) argumental. E, às vezes, usam com descaro essa palavra: cliente, clientes… Não há nada mais artificial e menos universitário que os falsos estudantes que aparecem nos anúncios de televisão, vendendo inscrições e matrículas, sugerindo que os nossos filhos sejam como eles, bonitinhos, triunfadores, sorridentes, modernosos, saudáveis, atléticos e superficiais… O que pensaria Unamuno vendo e comprovando tanta miudeza?

No que o marketing da compra-venda não se parece à realidade universitária é na questão da “fidelização”. Qualquer supermercado, restaurante ou agência de viagens tem o maior interesse na “fidelização” dos seus clientes. Um cliente fiel, repetitivo, que mantém e diversifica a relação, é, na prática e nos resultados, como se fosse um grupo de clientes ocasionais… Por isso não se entende que algumas universidades gastem mais energias em atrair estudantes que em mantê-los…

Leia mais »

Avaliar
José Manuel Moran *
Folha Dirigida – Educação a Distância
***

A educação a distância está modificando todas as formas de ensino e aprendizagem, inclusive as presenciais, que utilizarão cada vez mais metodologias semi-presenciais, flexibilizando a necessidade de presença física, reorganizando os espaços e tempos, as mídias, as linguagens e os processos. EAD tem significados muito variados, que respondem a concepções e necessidades distintas.

Podemos avançar muito na personalização das propostas, mais abertas, com forte aprendizagem colaborativa, em redes flexíveis e respeito ao caminho de cada um. Na EAD o aluno poderia ter seu orientador, como acontece na pós-graduação. Esse orientador seria o principal interlocutor responsável pelo percurso do aluno, com ele definiria as disciplinas mais adequadas, as atividades mais pertinentes, os projetos mais relevantes. Teremos cursos mais síncronos e outros mais assíncronos, alguns com muita interação e outros com roteiros predeterminados, uns com mais momentos presenciais enquanto que outros acontecem na WEB. Essa flexibilidade de processos e modelos é fundamental para avançar mais, para adequar-nos às inúmeras possibilidades e necessidades de formação contínua de todos.

Leia mais »

Avaliar
Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics