Destaques
Patrocínio
Facebook

Arquivo da categoria ‘Cultura e literatura’

Print Friendly, PDF & Email
Gabriel Mario Rodrigues2

Gabriel Mario Rodrigues
Presidente do Conselho de Administração da ABMES
***

 “Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem a mim, assim como o Pai me conhece a mim e eu conheço o Pai; e dou a minha vida pelas ovelhas.” (João 10.14-15)

 Há 2.019 anos nasceu em Belém Jesus, nome trazido e anunciado a Maria pelo anjo e mensageiro Gabriel. Apesar de filho de Deus, não nasceu num palácio, mas num humilde estábulo. Sua palavra, porém, reverbera até hoje por sua força e atemporalidade. E olha que a língua falada, mais do que a escrita, era o aramaico[1], próxima do hebraico, utilizada para a comunicação com seus “alunos”.

Leia mais »

Avaliar
Print Friendly, PDF & Email

Antonio OliveiraAntônio de Oliveira
Professor universitário e consultor de legislação do ensino superior da ABMES (1996 a 2001)
antonioliveira2011@live.com
***

Quando se espera que o tempo passe rápido, num vapt-vupt, pedimos um minutinho, um segundinho, um tempinho. Quando demora, quando muito dizemos um tempão, não um minutão, nem minutíssimo, nem minutaço, à semelhança de um golaço. Minuto seria uma palavra de significação plena, minuto é minuto, matematicamente nem mais nem menos do que a unidade de medida igual a 60 segundos.

Podemos viver, num só dia, um ano de emoções. Um minuto, para nós, pode durar uma eternidade. Além disso, tratando do “homem cordial”, em Raízes do Brasil, Sérgio Buarque de Holanda escreveu que a terminação “inho”, aposta às palavras, serve para nos familiarizar com as pessoas ou os objetos. Associa-se também com o tempo psicológico e com a faixa etária.  O sufixo “inho” pode nos distanciar da razão, mas nos aproxima do coração.

Leia mais »

Avaliar
Print Friendly, PDF & Email

Antonio OliveiraAntônio de Oliveira
Professor universitário e consultor de legislação do ensino superior da ABMES (1996 a 2001)
antonioliveira2011@live.com
***

Na Idade Média, o teatro exibia representações religiosas, como os Milagres e os Mistérios. As comédias, por sua vez, tratavam de moralidade e apresentavam farsas, sendo uma das mais célebres a Farsa do Advogado Pathelin, já no século XV. Encenavam também as soties, representações de caráter satírico. Sotie deriva de sot, em francês, que significa tolo, p. ex.: “Il est un sot”, ele é um bobo, patola.

Esse tipo de teatro, então, teve seu nascedouro em temas religiosos. A missa era o drama sacro por excelência, principalmente nos dias de festa. Eram os assim chamados Milagres. Pouco a pouco, o drama se separa do ofício sagrado. Passamos a ter peças profanas, ao pé da letra, fora do templo, campal, em praça pública. Os Milagres cedem lugar aos Mistérios, assim denominados pelos franceses e italianos. Na Grã-Bretanha datam do século XI, segundo o escritor Alexandre Herculano. A partir do séc. XIV, inclusive na Alemanha, essa modalidade de espetáculo teatral abarcava, durante vários dias, toda a história sagrada, desde a queda de Adão e Eva, no Paraíso, até a vida de Jesus Cristo e o Juízo Final.

Leia mais »

Avaliar
Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics