Destaques
Patrocínio
Facebook

Arquivo da categoria ‘Cultura e literatura’

Solange Pereira PintoSolange Pereira Pinto
Arte-educadora, arteterapeuta e coach
sollpp@gmail.com
*** 

Hoje fui ajudar minha filha no dever de casa (tem coisa mais “agressiva” do que esse nome “dever de casa”?) e vou comentar a experiência. Aliás, acho muito chata e até mesmo descabida essa mania de algumas escolas mandarem deveres para serem realizados junto à família, ultrapassando inclusive a capacidade da criança de entendimento e execução. Oras quem precisa criar a autonomia é o aluno e ponto final. Penso assim.

Simplesmente aconteceu o seguinte: ela teria que ler um livro para desenhar a personagem principal. Ela leu o livro. Ela não achou a personagem principal. Eu pedi para me contar a história e ela não conseguiu (logo, não entendeu). Eu li o livro para ela. Ela continuou sem saber achar a personagem principal. (Eu também achei difícil adivinhar qual era a resposta certa para o caso). Enfim, sabe dever de casa modalidade ficha de leitura? Daqueles que tanto faz ler uma bula de remédio ou um conto da carochinha que vão perguntar quem é personagem principal (será que no caso da bula personagem principal é o doente?)

Leia mais »

Avaliar
Antonio OliveiraAntônio de Oliveira
Professor universitário e consultor de legislação do ensino superior da ABMES (1996 a 2001)
antonioliveira2011@live.com
***

Consta dos anais da história de Pitangui, em Minas Gerais, que o fórum da cidade foi invadido, por cerca de 300 pessoas, no início do ano de 1896. Motivo: conter os desmandos da Câmara de Vereadores acusados de autoritarismo e de esbanjar, já naquela época, dinheiro que não era deles, mas do erário, isto é, do povo. Tanto que dizer erário público é pleonasmo. Erário, por natureza, é público.Com efeito, segundo consta, os revoltosos alegavam esbanjamento de dinheiros públicos e de atos ilegais.

Estávamos nos primeiros anos da “res publica”, da coisa pública. De então até os nossos dias, nada mudou… Tudo igualzinho aos dias de hoje, mais de um século depois de proclamada a república e quase dois séculos de independência oficial, quando assistimos ao julgamento do mensalão, termo que ficou conhecido internacionalmente, em inglês, como “big monthly stipend”.

Leia mais »

Avaliar

Antonio OliveiraAntônio de Oliveira
Professor universitário
e consultor de legislação
do ensino superior da ABMES (1996 a 2001)
antonioliveira2011@live.com
***

Para John Ruskin, “arte perfeita é aquela em que a mão, a cabeça e o coração trabalham unidos”. Criar peça por peça, rito divino. Com as mãos. Sem desprezar a cabeça e o coração. Mãos ocupadas, laboriosas, fecundas. Segundo a linguagem do Gênesis, Deus não acessou a criação do mundo instantaneamente, num só clique. Sua obra durou seis dias. E, no sétimo dia, descansou. A partir da luz, houve tarde e houve manhã. E tudo foi surgindo como num crescendo, até culminar com a criação do homem, originariamente à imagem e semelhança de Deus.

Os artesãos põem a mão na massa, dando fisionomia à matéria inerte e lembrando, assim, a descrição literal do Gênesis: “O Senhor Deus formou, pois, o homem do barro da terra, e inspirou no seu rosto um sopro de vida, e o homem tornou-se alma vivente”. Dessa forma, também o artesão: com as mãos, molda sua peça e sopra na forma moldada o sopro da criação artística.

Dependendo da criatura moldada, só falta falar.

Leia mais »

Avaliar
Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics