Destaques
Facebook
Twitter

Arquivo da categoria ‘Novas tecnologias’

Print Friendly, PDF & Email
Júlio César de Castro Ferreira
Especialista em comunicação digital
www.produtoranebadon.com.br
***

Para que seja possível falar sobre o perfil do “aluno 3.0”, será importante falar sobre as mudanças no comportamento e nas relações sociais a partir da internet, que além de transcenderem as fronteiras da comunicação convencional, também transformaram acentuadamente o comportamento e os relacionamentos, especialmente quando falamos da geração nascida a partir do ano 2.000, conhecida como “geração Y”. As infinitas possibilidades de acesso a informações, serviços, entretenimento e relacionamentos induzem qualquer um que esteja conectado a novos padrões na maneira como se expressa, consome e, também, na maneira como adquire conhecimento.

Dessa maneira, compreender o impacto dessas mudanças no comportamento como um todo e reavaliar as estratégias aplicadas é um dos fatores fundamentais para as instituições que almejam sucesso em seus objetivos neste mercado emergente. E para compreender toda essa mudança e a direção que estamos indo é fundamental observar atentamente o comportamento do jovem de hoje, especialmente se levarmos em consideração que, historicamente, os jovens sempre foram os grandes catalisadores das mudanças sociais, especialmente quando falamos sobre comportamento e consumo. Foi assim como a “geração baby boomer”, entre os anos 40 e 50, com a “geração X”, nascidos entre os anos 60 e 70, e assim vem acontecendo com a “geração Y”’, ou, “geração millennials”.

Leia mais »

Avaliar
Print Friendly, PDF & Email
Elisa Wolynec*
Presidente do conselho administrativo da Techne
ewolynec@techne.com.br
***

O MOOC (Massive Open Online Course) é o ultimo estágio de um processo iniciado no ano 2000 pelo MIT, com a proposta de abrir o conteúdo de todos os seus cursos e disponibilizá-los a custo zero na Internet.  Em seguida várias outras instituições de renome juntaram-se à iniciativa e com a evolução da Internet estas iniciativas foram transformando-se em cursos online gratuitos.

A quantidade e qualidade desses cursos, destinados a centenas de milhares de alunos, evoluiu muito, possibilitando que estudantes interessados e motivados possam obter um nível de educação com o qual nem poderiam sonhar no passado, desenvolvendo habilidades sofisticadas que lhes permitem acesso a empregos de salários elevados, sem ter gastos com mensalidades. Nos Estados Unidos várias instituições de renome já estão aceitando cursos MOOC como parte dos créditos necessários à obtenção de um diploma.

Leia mais »

Avaliar
Print Friendly, PDF & Email
Gabriel Mario Rodrigues
Presidente da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) e Secretário Executivo do Fórum das Entidades representativas do Ensino Superior Particular
***

Quando o cinema surgiu, os pessimistas disseram que o teatro ia acabar. Quando lançaram o televisor, falaram que o cinema ia terminar. Com a internet, com os smartfones e os tablets, e seus formidáveis recursos, eles sentenciaram à morte a televisão e os livros. Agora apontam as suas baterias para a Educação. O alvo são as aulas presenciais que – pela tecnologia – não vão mais precisar de professores. Ledo engano. Sem nós humanos a tecnologia não é nada; aliás, nem existiria. A história é pródiga em nos mostrar isto.

Examinemos o ocorrido na primeira metade dos anos trinta do século passado, quando uma plêiade de educadores brasileiros conclamava a sociedade em relação aos rumos de modernidade que devia alcançar a educação primária da época. Nossas escolas precisariam se beneficiar dos recursos do cinematógrafo, a última novidade daqueles tempos. Decorrente do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, de 1932, o MEC – da época – decidiu colocar o cinematógrafo nas escolas[1]. Para atender à “demanda”, o Governo investiu na aquisição de 250 projetores de cinema. E o que se pensava ser a maior inovação pedagógica tornou-se um retumbante fiasco. A iniciativa esbarrou logo de cara com problemas de energia, de infraestrutura e de recursos humanos qualificados para fazer funcionar o cinematógrafo. Por exemplo, ninguém tinha ideia de que o filme precisava ser trocado de vez em quando.

Leia mais »

Avaliar
Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics