Destaques
Patrocínio
Facebook
Print Friendly, PDF & Email
Caio Polizel*
Consultor
caio@hoper.com.br
***

Cada vez mais aparecem na mídia afirmações de especialistas sobre um possível “curto-circuito” ou “apagão” de profissionais qualificados disponíveis no mercado de RH. Estudos mostram que, além da contratação de novos profissionais ser um dos grandes problemas para 2011, mais de 45% dos brasileiros do alto escalão pretendem mudar de cargo ou de empresa ainda este ano (segundo pesquisa realizada pela Robert Half, empresa especializada em recrutamento).

Sabe-se também que tal falta de profissionais é resultado direto do crescimento e da expansão dos negócios, não deixando alternativas contrárias à criação de novas vagas e por consequência à ampliação das contratações. Não obstante, esta mazela também é encontrada no contexto educacional, onde tanto os grupos consolidadores quanto pequenos mantenedores já se depararam com a baixa qualificação dos profissionais. Porém, o problema é que os pequenos mantenedores não possuem a mesma disponibilidade de investimentos para aportar em treinamentos e capacitações. Uma solução cada vez mais utilizada pelas IES é a criação da própria Universidade Corporativa, objetivando capacitar seu público interno, fortalecer os planos de carreira e diminuir o êxodo dos profissionais.

Dentro desse contexto de ampla rotatividade, é oportuna uma reflexão: Como ficaremos se todos esses profissionais citados mudarem de emprego? Teremos realmente o mal fadado apagão de profissionais? Corremos o risco de ampliar uma possível ineficiência organizacional? Existe a possibilidade de redução no crescimento das instituições por conta da escassez de profissionais?

Se uma ou todas as afirmativas destacadas anteriormente forem verídicas teremos que utilizar alguma estratégia para minimizar os impactos. A sugestão, portanto, é uma estratégia que pode ser utilizada pelas empresas e instituições a fim de manter os profissionais motivados e envolvidos com a IES. Trata-se de um conceito atual na gestão de pessoas intitulado Âncora de Carreira.

A Âncora de Carreira pode ser definida como um conjunto de valores pessoais que a pessoa não renuncia ou abandona, mesmo diante de uma escolha difícil, pois representa seus propósitos internos, sua hierarquia de valores. Segue abaixo as categorias gerais das oito âncoras de carreira, descritas nas teorias sobre o tema, normalmente expostas e relacionadas aos conjuntos de valores do indivíduo:

  1. Competência técnico/funcional (especialistas);
  2. Competência gerencial (liderança);
  3. Autonomia/ independência (liberdade);
  4. Segurança/ Estabilidade (carreira);
  5. Criatividade empreendedora (empresa própria);
  6. Serviço/ Dedicação a uma causa (propósito);
  7. Puro desafio (competitivo);
  8. Estilo de vida (integração);

Mesmo que o profissional não tenha ciência sobre suas intenções e valores intrínsecos, essas características apresentam uma nomenclatura específica. É fato que os profissionais buscam constantemente atender seus anseios e expectativas, sejam eles o desenvolvimento da liderança, a liberdade/autonomia, a segurança/estabilidade, entre outras. Portanto, deve ser papel das organizações mapear seus profissionais, entender as âncoras de carreira de cada um, saber como lidar com os interesses individuais e tirar o maior proveito da produtividade do grupo.

Se a empresa reconhece que uma pessoa possui valores pessoais que não abandona, ela poderá se antecipar e verificar se o cargo e as atividades que o profissional vem desempenhando estão alinhadas às Âncoras de Carreira, minimizando assim a perda precoce desse talento. O fato é que, se o trabalho não corresponder aos anseios do profissional, ou na linguagem comum não tiver nada a ver com ele, este ficará menos envolvido e, obviamente, menos tempo em sua Instituição.

Deste modo, antes de investir na capacitação dos talentos de sua IES, o que acha de fazer um teste identificando as Âncoras de Carreira de cada um deles? Auxilie seus talentos nas decisões de carreira e terá sempre profissionais mais alinhados, motivados, produtivos e que lhe fornecerão os melhores resultados. Caso tenha interesse em um teste sobre as Âncoras de Carreira, acesse o site da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina) e conheça a hierarquia de suas principais Âncoras de Carreira (http://migre.me/4dJff).

Boas pesquisas e reflexões.

* Caio Polizel é Consultor Associado da Hoper com atuação na área de Modelagem Organizacional e Planejamento Estratégico. É Mestre em Administração – Gestão de Pessoas e Especialista em Psicologia Organizacional. Contato: caio@hoper.com.br .

Avaliar

Uma resposta para “Como manter talentos na IES utilizando as Âncoras de Carreira”

Deixe uma resposta

Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics