Destaques
Patrocínio
Facebook
Angelica Bocca Rossi
Pedagoga, especialista em EaD
angelica.bocca@gmail.com
***

A Educação a Distância virou febre no sistema de ensino brasileiro. Mas, é bom esclarecer que, apesar de ser a distância, às vezes muito distante, não se trata de cursinhos ou, pior, curso vago.

Existem pessoas que ainda pensam que fazer um curso “pela internet”, é o mesmo que não estudar, ou seja, basta pagar as mensalidades, comparecer às aulas presenciais “só de corpo” e às vezes, depois retirar o diploma, alguns até querem participar da formatura. Ledo engano, pois a necessidade de se organizar, ajustar o tempo, conciliar o estudo com outras obrigações e tarefas, participar das atividades online, como fóruns e chats, preparar os trabalhos solicitados e, até mesmo o TCC, fazem de um curso a distância uma excelente ferramenta de aprendizado.

As IES que se comprometem em disponibilizar cursos em EaD precisam estar equipadas com todas as ferramentas necessárias, além de capacitar profissionais, tanto para elaboração do material didático (conteudistas), como professores que preparam suas aulas de acordo com o programa, conteúdos e ementas de cada disciplina, sem mencionar os equipamentos para a transmissão das aulas. Além disso, é preciso disponibilizar, nos pólos, profissionais capacitados, nas áreas dos cursos oferecidos para dar suporte aos alunos durante a exibição das aulas via satélite, os tutores de sala. Os pólos por sua vez se comprometem em manter a qualidade do ensino oferecido, contratando tutores de sala com formação na área específica de cada curso oferecido, que sejam capazes de acompanhar os conteúdos e, ainda, dar suporte e apoio ao aluno em suas dificuldades e dúvidas, tanto no que diz respeito aos conteúdos quanto às habilidades de informática.

Os tutores de sala acabam por serem obrigados a se prepararem com antecedência para poderem suprir as necessidades dos alunos, isso faz com estes estudem e pesquisem tanto ou mais que os próprios alunos. Porém, seu papel nem sempre é reconhecido, pois a sua remuneração é de responsabilidade total dos pólos que, por sua vez, não têm apoio financeiro das IES para melhorar seus salários, a conseqüência é que existe uma rotatividade de tutores de sala considerável nos pólos.

Mas, mesmo com esta dificuldade, a Educação a Distância está se tornando uma das melhores opções para a formação universitária do brasileiro, pois, aqueles que precisam trabalhar por longas horas, ou em turnos diversificados durante o mês ou, ainda, viajam muito agora podem realizar o sonho de ter uma formação superior ou uma pós-graduação.

Temos ouvido muitos depoimentos de alunos sobre esta nova proposta de “aprendizado” onde estudar tornou-se mais do que importante, agora é também prazeroso. Em período de férias são muitos os alunos que procuram seus pólos para fazerem suas atividades, complementarem seus estudos, usarem a biblioteca, etc., ou seja, podemos observar e concluir que a distância a educação tem modificado a maneira do brasileiro encarar os estudos e tomar gosto por ele.

Então EaD não é brincadeira mesmo. As IES que se propuseram a oferecer esta modalidade de ensino estão colaborando significativamente para o desenvolvimento educacional do país e, principalmente, proporcionando a realização de muitos sonhos.

O momento é para ser aproveitado e os investimentos nesta modalidade de ensino mais efetivos, principalmente pelos governos federal, estaduais e municipais, no sentido de incentivar um maior número de IES ofertantes, claro que com todas as exigências cabíveis e, também na instalação de pólos de modo a facilitar o acesso à população.

É preciso lembrar, também, que não são apenas os cursos superiores de graduação ou pós-graduação que estão sendo importantes para a formação acadêmica dos brasileiros, os cursos técnicos profissionalizantes têm a mesma importância e merecem o mesmo apoio político para sua oferta, pois, uma vez formado para o mercado de trabalho, em qualquer idade, o gosto pelo estudo e o empenho por uma formação superior se tornam evidentes e, assim, o esforço por concluir um curso de graduação é muito maior.

Mas para que isso seja realmente bom para o país é preciso que o setor empregatício olhe para a formação em EaD com os mesmos olhos da população, porém, é preciso que a divulgação da qualidade do ensino a distância seja tão efetiva quanto é no ensino presencial, o que depende de uma grande vontade política, que deve iniciar com ações do próprio Ministério da Educação.

Educação não é nunca foi, nem poderá ser brincadeira, não importa em que modalidade seja oferecida.

Avaliar

9 Respostas para “EaD não é brincadeira”

  • Fábio Marcelo Trindade says:

    Olá professora boa tarde!
    Sou professor tutor em modelos presenciais e EAD, é muito importante a interação aluno professor e polo para bom andamento do processo, é claro que esta modalidade precisa ser reconhecida ao aluno, pois no dia-a-dia ele precisa saber e entender que este tipo de edcação precisa de empenho e velocidade, tento levá-los sempre na mesma direção ao objetivo da organização.

     
  • paulo roberto da silva e chagas says:

    Concordo plenamente quando diz que EAD nao é brincadeira, mas infelizmente ainda existem pessoas que nao levam isso à serio, nao se dao conta da importancia e da maravilha que essa modalidade de ensino trouxe para nos. Quantas pessoas eram privadas do ensino superior por diversos motivos e agora podem realizar seu sonhos de ter um curso e consequentemente ter uma vida melhor.

     
  • ilza francisca carlos says:

    A educação a distancia tem aberto muitas portas para quem quer ter um curso superior. Facilitou muito a vida de pessoas que sonhavam mas por um motivo ou outro não conseguiam frequentar uma faculdade.Mas primeiro o aluno precisa buscar uma que leva esse ensino à serio e depois se conscientizar de suas responsabilidades e ter compromisso com o curso, usar de todas as ferramentas disponíveis para se obter um maior aprendizado. E acho que com uma boa supervisão é possível ter grandes e ótimas universidades com ensino à distancia.

     
  • Maria Lucia says:

    Parabéns professora pelo trabalho, eu tembém acredito muito na educação,uma vez que é a unica forma de se alterar a vida de uma sociedade,independente da modalidade precisamos discutir sim, novas forma de atrair pessoas buscarem a educação e é inegavél que o modelo EAD tem atraido muito mais pessoas que o presencial,percebo que isso se dá a lógica do mundo globalizado além dos demais fatores que tem influenciado as pessoas. No cenário das tecnologias é inviável que a forma de se educar ainda possa permenecer na verticalização onde o professor fala e o aluno escuta e obedece se de vez em quando ele tiver ousadia ele participa caso contrario só escuta. Atuo como tutora esencial e o interessante na EAD que samos estimulados para desenvolver o protagonismo do aluno o tempo todo e fazer com que de fato aconteça a participação e aprendizado.

     
  • Olá Profa.,

    Realmente virou moda o EAD mas gostaria de dizer que parte desta demanda não foi feita pelos alunos e sim pelas instituições de ensino. Muitas delas viram no EAD a possibilidade de aumento de receita com redução substancial do valor pago por hora/aula.
    Não quero dizer que isso é ruím… apenas estou argumentando de uma outra forma sobre a “demanda” criada pelas novas tecnologias.
    Abraços a todos e em especial ao alunos da pós em EAD da Anhanguera de Campo Grande – MS.

     
  • Tarcísio Schneider says:

    Olá professora!
    Tarcísio Schneider, sou professor no modelo de Ensino Presencial e agora também aluno de Pós-graduação no modelo de Ensino a Distância.
    O que percebo é que a Educação a Distância está abrindo cada vez mais portas para os estudantes, sem condições de freqüentar um ensino presencial, para fazer os seus cursos de graduação ou de pós-graduação. Assim, se qualificando para a disputa de vagas no competitivo mercado de trabalho.
    Com certeza a Educação a Distância é o caminho para aquelas pessoas que não tem como freqüentar o ensino presencial. No Ensino a Distancia o aluno planeja o seu tempo, tarefas e não se limita apenas aos conteúdos das aulas.
    Como aluno do Ensino a Distância quero parabenizá-la pelo excelente trabalho, Professora Angélica, posso dizer que gostei da expressão de suas idéias e convicções.

     
  • Célio dos Santos Júnior says:

    Célio dos Santos Júnio : Sou professor, já realizei uma pós graduação a distância a qual superou minhas expectativas e no momento estou realizando um outro curso a distância. Acredito que a educação atrelada à tecnologia e à internet permite novas formas de aprendizagem, basta o aluno tirar proveito dessas oportunidades ser disciplinado e organizado que terá sucesso.
    Precisamos destituir deste paradigma que a Educação a distância é inferior a presencial, concordo com os que dizem que devemos ter um orgão que monitore a qualidade destes cursos, pois, a Ead veio para ficar, penso que desta forma consigamos elevar o nível de conhecimento e cultura de nosso país, ainda carente disto.

     
  • Roger Santos says:

    Boa noite, Professora!

    Sou professor do ensino superior de graduação e pós-graduação em modelos presenciais e EAD.

    Neste momento, concomitantemente à função de docente, iniciei uma Especialização em Metodologias e Gestão para Educação a Distância (Universidade Anahnguera – UNIDERP), através do sistema EAD. Ou seja, praticamente “estréio” como aluno nesta modalidade de ensino.

    Por conta disto, experimento todas as ferramentas e sensações dispostas aos acadêmicos optantes por cursos não presenciais. O fato é que considero valiosas as experiências que estou adquirindo.

    Neste primeiro módulo, praticamente tivemos um desafio de aprendizagem (atividade prática) cujo objetivo é, além de aprimorar o conhecimento através da interatividade em blogs consistentes em informação sobre o EAD, a formatação de um blog particular, no sentido de compreender e consolidar o uso e aplicação de uma das ferramentas do sistema de ensino à distância, baseada nas rede sociais da web 2.0. Tal exercício, além de estimulante, está se tornando uma ferramenta real de trabalho a ser alimentada em minha atividade docente.

    Por estas informações, concordo plenamente com suas idéias quando referes sobre a qualidade do ensino à distância. Obviamente, a procura por instituições sérias e de qualidade notória (seja baseada em indicadores do MEC, ENADE, ou revistas especializadas) darão o suporte necessário para que o acadêmico obtenha o suporte fundamental para sua aprendizagem.

    Porém, a aplicação e comprometimento com a aprendizagem é extremamente subjetiva, sendo este o ponto conflitante no momento.

    As inovações tendem a requerer um esforço de adaptação cultural e tecnológica que, muitas vezes, não são percebidas pelos seus usuários/consumidores.

    Enquanto professor, sempre discurso sobre a importância da autonomia da aprendizagem, baseado nas tecnologias contemporâneas e acesso à informação de meus alunos, argumentando que meu papel é muito mais orientativo, face às minhas experiências profissionais (docentes/mercado), do que propriamente de ensino.

    E agora que desempenho meu papel de acadêmico de curso EAD, compreendo que esta adaptação anteriormente relatada é comportamental e exigirá algum tempo, até que a proposta seja concebida pelo papel a ser desempenhado. E embora o ensino a distância não seja historicamente uma novidade (haja visto que muitos institutos desempenharam este papel através dos métododos de correspondência, tv, rádio, entre outreos), enquanto aplicada ao uso da web e mecanismos virtuais, encontra uma certa dificuldade pela carência de alfabetização tecnológica da população brasileira. É justamente por esta razão que imagino este cenário, no qual determina o ajuste de duas gerações distintas para assimilação desta alfabetização tecnológica para compreender a necessidade da auto-aprendizagem baseada nos mecanismos de tutoria e suportes no sistema EAD.

    Por fim, agradeço imensamente a disposição deste artigo, pedindo desculpas pelo excesso textual deste comentário.

    Parabéns pelo seu trabalho e pela expressão de suas idéias.

    Atenciosamente,

    Roger Santos

     
  • Renata Reis says:

    Olá professora, o Professor Wolmer Tavares me passou seu link e gostei do seu trabalho. Passando para parabenizá la.

    Renata Reis
    Tutora EAD – UNINTER

     

Deixe uma resposta

Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics