Jacir J. Venturi
Foi professor e diretor de escolas públicas e privadas, presidente do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Paraná (Sinepe/PR)
Membro do CEE/PR como representante das escolas privadas do Paraná
***

Satisfeitas as necessidades humanas básicas segundo a hierarquia da Pirâmide de Maslow – respiração, alimento, sono, excreção, sexo –, na sequência advêm outras, como segurança, saúde e educação. A saúde é um bem essencial, de tal sorte que Napoleão Hill afirma que “se você tem saúde, jamais diga que a vida não lhe deu uma oportunidade”. A educação, por sua vez, não só propicia estratégias e oportunidades para a ascensão social, mas também nos coloca em trilhos civilizatórios.

Ademais, há hoje muita insegurança quanto ao mundo pós-coronavírus, com recessão econômica e possíveis conturbações sociais. O cenário mundial que atualmente vivenciamos é singular, sendo a pandemia não apenas sanitária, mas também socioeconômica, com impactos deletérios que evidentemente atingirão as escolas. Especificamente neste segmento, este vírus paralisou até o momento as aulas presenciais em 188 países, afetando 1,5 bilhão de estudantes, o que corresponde a 89,5% do total de alunos no mundo, conforme dados da Unesco, órgão da ONU responsável por esse monitoramento.

A pandemia da Covid-19 promove tantas incertezas e volatilidades que poucas atividades econômicas deixarão de sofrer impactos dilacerantes, conquanto toda a crise gera oportunidades. Como me disse o reitor de uma universidade: Crise? Tire o S, crie! E, como a necessidade é a mãe da inovação, o momento é oportuno para a tão debatida e necessária transformação digital de nossas escolas, que em geral ainda pouco se diferenciam daquelas de 50 anos atrás. “Essa crise terá efeitos perenes sobre a forma de aprender (…) criando novos hábitos e comportamentos, tanto nas famílias quanto nas instituições de ensino” – bem complementa o experiente diretor de uma rede de ensino, Paulo Arns Cunha.

E mais do que vultosos investimentos em tecnologias, elas necessitam de uma intensa capacitação de professores e gestores para que o processo ensino-aprendizagem possa agora ter sequência na modalidade a distância, até que possamos retornar à normalidade. E o uso destas ferramentas também traz o benefício de induzir nos estudantes o desenvolvimento da fluência digital, uma das mais importantes competências do mundo contemporâneo.

Assim, as direções de escolas têm pela frente um trabalho de Hércules, com a difícil missão de minimizar o impacto da paralisação das aulas presenciais e, consequentemente, reorganizar o calendário letivo, implementar o ensino em plataformas digitais, atendendo aos anseios das famílias com suas legítimas e diversas necessidades. E, no caso das escolas particulares, administrar a queda da arrecadação com poucas possibilidades de redução de custos. Muito pelo contrário, a implantação de meios e tecnologias de informação e comunicação, em um curto espaço de tempo, implica numa exacerbação nas despesas.

Por estes e outros fatores, é momento de nossos políticos não atrapalharem a boa relação entre famílias e escolas privadas, pois inoportunos são os projetos de lei apresentados em várias casas legislativas, que propõem a imposição de uma redução linear nas mensalidades escolares. É evidente que toda escola deve reconhecer a gravidade da perda do poder aquisitivo de muitos lares, mas isso deve ser resolvido mediante negociação com cada instituição, cada família, caso a caso. Um porcentual fixo e generalizado, como tem sido proposto, não vai atender uma parte das famílias por ser um índice insuficiente, enquanto há outras famílias mais capitalizadas que, com um pouco de aperto, suportariam a manutenção do valor contratado. É justamente o que o próprio Procon recomenda: o diálogo deve ser o instrumento primordial para a construção de um acordo que seja bom para ambos os lados. Uma redução exagerada e compulsória no valor das mensalidades pode cravar a insolvência de não poucas escolas, com impactos econômicos e sociais que vão complicar ainda mais a crise que enfrentamos.

Afinal, as instituições de ensino da livre iniciativa, compostas de colégios, faculdades e universidades, empregam 1,7 milhão de profissionais e atendem quase 15 milhões de alunos, o que corresponde a 17% das matrículas da educação básica e 74% das faculdades. No Paraná, são quase 2 mil escolas particulares com cerca de 730 mil matrículas. Cumpre destacar que, em Curitiba, a subdivisão é praticamente equânime nas três redes, pois na educação básica um terço delas está em escolas estaduais, um terço nas municipais e um terço nas particulares.

O segmento das escolas particulares é altamente concorrencial e com grande capilaridade, pois está presente em todos os municípios, em todos os bairros das grandes cidades. Umas das maiores riquezas de um país está na pluralidade de suas escolas – sejam elas públicas, particulares, confessionais, comunitárias, laicas. E isso ocorre mesmo sendo um segmento com alta tributação, pois cerca de um terço do valor da mensalidade é destinado ao Fisco. Via de regra, outras nações não aplicam tributo algum sobre a escola privada, pois se entende que está desonerando o Estado.

No momento em que vivemos, temos um compromisso ainda mais necessário, imperativo: trabalhar, lutar por uma educação de qualidade, não importa se pública ou privada, um divisionismo retrógrado, antipatriótico que só faz perdedores. Há muito que nos une, pouco que nos divide. Não é enfraquecendo a escola particular que se fortalecerá a pública, e sem escola pública de qualidade jamais seremos uma nação com justiça social. Cabe, agora ainda mais do que nunca, o espírito de cooperação.

“A escola é a nova riqueza das nações. Passou a valer mais que a fábrica, o banco, a fazenda” – faz-se oportuno Peter Drucker, renomado consultor americano. A nossa matéria-prima é a mais nobre que existe na face da Terra: nossas crianças, adolescentes e jovens. Somos educadores e, como educadores, não temos o direito de ser medianos. Cabe-nos o dever da busca incessante pela qualidade de ensino, em qualquer contexto, mesmo que haja nuvens borrasquentas no céu.

Avaliar

Deixe uma resposta

Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics