Valmor Bolan
Doutor em Sociologia e Presidente da Conap/Mec (Comissão Nacional de Acompanhamento e Controle Social do Prouni)
***

Uma pesquisa recente feita pelo Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube), que recruta e selecionam estagiários, demonstrou que estudantes do curso de Comunicação Social tem tido mais dificuldade em acertar questões de língua portuguesa e fazer uma redação em testes de trabalho, do que os alunos, por exemplo, de Engenharia. No estudo, os estudantes de exatas estão acertando mais testes de português e escrevendo melhor do que os de Comunicação Social. Segundo a Coordenadora de Recrutamento e Seleção do Nube, Natália Caroline Varga, os dados obtidos pela pesquisa revelam “um pouco como está o mercado: temos muitos candidatos, mas poucos qualificados para algumas áreas”. E destacou que “muitos escolhem a profissão sem ter noção do que acontece no dia-a-dia. Alguns escolhem Jornalismo achando que vão apenas aparecer na TV e não fazer vários tipos de matérias diferentes, como acontece”.

O fato é que esta deficiência acaba prejudicando muitos jovens que desejam ingressar no mercado de trabalho, pois carece de uma ferramenta fundamental: o da comunicação. Não se comunica bem, se não se sabe se expressar bem, inclusive no texto escrito. E mais ainda: se não se consegue ler bem um texto e souber interpretá-lo. O corre-corre do dia-a-dia, a linguagem rápida e abreviada que se usa pela Internet, pode causar um efeito corrosivo na capacidade de redigir bem um texto e saber ler uma mensagem de modo adequado, pois a falta de leitura é considerada um dos fatores que empobrecem a capacidade dos jovens em fazer uma boa redação. É interessante observar que está havendo, por causa disso, uma procura por cursos de português. Mas não basta somente um breve curso. A solução é criar mesmo o hábito da leitura. Não apenas de informações jornalísticas, mas principalmente de livros, e de boa literatura.

Não adianta também os alunos se interessarem por outros idiomas, como inglês e espanhol, e ficarem deficientes no português. Não resolve. Primeiro é preciso se expressar bem em nossa própria língua, para depois se aprofundar em outras. Temos que, nesse sentido, desde o Ensino Básico, estimular as crianças, adolescentes e jovens à boa leitura, não somente de entretenimento, mas textos de reflexão, que os façam  aprender a pensar, a  situar-se no contexto em que vivem, a terem um pensamento crítico. Daí a leitura de romances, livros de história, filosofia, ciência, religião, política, etc. A pesquisa chama a atenção para esta realidade, e não podemos ficar indiferentes a isso. Somente com o hábito da leitura (desde cedo) é que poderemos suprir esta deficiência, e preparar melhor nossos jovens ao mercado de trabalho e à vida. Dessa forma, poderão ter um padrão de vida melhor.

Avaliar

Deixe uma resposta

Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics