Maurício Costa Romão
Ph.D. em economia pela Universidade de Illinois, nos Estados Unidos
mauricio-romao@uol.com.br
***

A transição do modelo tradicional de ensino “transmissor de conteúdos” em sala de aula, cujo protagonismo é do professor, para o modelo contemporâneo de aprendizado colaborativo-interativo de metodologias ativas, centrado no educando, ainda está em andamento em distintos níveis educacionais e com diferentes estágios de adoção.

O inesperado advento da pandemia do covid-19 sacudiu esse percorrer e projetou novos desafios diante do isolamento social.

A escola enquanto espaço físico para propósitos educacionais, outrora ambiente exclusivo de aprendizagem, vê-se de repente compelida a intensificar a incorporação do espaço virtual como extensão de sua atividade nuclear.

O processo foi facilitado em razão de que há muito os cursos já deixaram de ser eminentemente presenciais (offline learning), e passaram a utilizar diversos meios tecnológicos online.

A aprendizagem moderna é toda híbrida, semipresencial (blended learning). Os cursos empregam menos ou mais tecnologias online, mas sempre empregam. Não faz mais sentido distinguir educação por modalidade, presencial e a distância. Educação é uma só, ofertada com diferentes graus de tecnologia.

Neste contexto, então, acelera-se a adoção do ensino presencial remoto, operado em ambiente virtual, através de diversas ferramentas digitais, síncrono, onde pontifica a interação professor-aluno, em geral com aula ao vivo e com materiais personalizados. O ambiente de aprendizagem presencial é como que transportado para o espaço virtual.

Por conta do repentino aparecimento da doença, o ensino presencial remoto teve que ser implementado rapidamente, não raro de forma improvisada, desorganizada, às vezes como mera replicação de aulas presenciais, sem os recursos midiáticos e pedagógicos adequados para a aprendizagem remota.

Inobstante os desacertos ocorridos, justificados em razão do inusitado do momento, a modalidade veio para ficar e se vai estender celeremente, urbi et orbi, diante da velocidade com que as mudanças tecnológicas estão ocorrendo,

No novo contexto, a escola enquanto espaço físico de aulas presenciais continuará importante. Mas para o aluno será muito mais um locus de convivência, interação, relação interpessoal, encontro com professores, pois parte apreciável do seu tempo estará dedicada ao ambiente virtual.

Avaliar

Deixe uma resposta

Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics