Destaques
Facebook

Maria Carmen Tavares Christóvão
Atua e colabora com a Pro Innovare
***

O Slow Food é uma organização global de base, criada na Itália em 1989 com o objetivo de disseminar a cultura do prazer gastronômico e um lento ritmo de vida.

Até a pandemia eram raros os profissionais que reservavam parte do seu tempo para desenvolver a “atitude sem pressa”. A ideia do ócio criativo nunca foi disseminada dentro das organizações.

A base do movimento está no questionamento da pressa e da loucura gerada pela globalização, pelo apelo à quantidade do ter em contraposição à qualidade de vida.

É com satisfação que trago essa reflexão no momento exato em que estamos em isolamento social. Tenho obtido o reconhecimento de leitores por todo o país, que mensalmente efetuam trocas de conhecimentos com a leitura dos nossos textos. Nosso sonho maior nesse blog é compartilhar com cada um novas conquistas e reflexões, fruto do esforço de pesquisadores e colaboradores, que tem abraçado esta causa, pessoalmente. Construir e trocar ideias com uma grande rede de relacionamentos é uma convivência, no mínimo, interessante.

Qualquer reflexão ou proposta aqui apresentada demora certo período para se concretizar ou amadurecer, mesmo que a ideia seja brilhante e simples. Mas, entendemos que toda semente germinada não se traduz em fruto imediato. É regra! A maior recompensa neste processo é quando nos damos conta, de que nossos textos causam em nossos leitores uma aflição saudável, uma ansiedade generalizada por mudanças, porém, é preciso ressignificar o nosso senso de urgência.

Voltando ao fenômeno que acontece hoje na Europa, a Slow Food Internacional Association parece-me ter antevido o tempo. Defende que as pessoas devem comer e beber devagar, saboreando os alimentos, curtindo seu preparo, no convívio com a família, com amigos, sem pressa e com qualidade. Eram raras as famílias que que reservavam parte de seu tempo para desenvolver esse ou qualquer outro hábito ou atitude sem pressa antes da pandemia. A ideia é a de se contrapor ao espírito do Fast Food e o que ele representa como estilo de vida. A surpresa, porém, é que esse movimento do Slow Food está servindo de base para um movimento mais amplo chamado Slow Europe como salientado pela revista Bloomberg Businessweek em uma de suas edições. A base de tudo está no questionamento da pressa e da loucura gerada pela globalização, pelo apelo à quantidade do ter em contraposição à qualidade de vida ou à qualidade do ser. Portanto, essa atitude sem pressa não significa fazer menos, nem menor produtividade. Significa, sim, fazer as coisas e trabalhar com mais qualidade e produtividade com maior perfeição, atenção aos detalhes e com menos estresse. Significa retomar os valores da família, dos amigos, do tempo livre, do espírito, do lazer, do ócio criativo e das pequenas comunidades. Do “local”, presente e concreto, em contraposição ao “global” – indefinido e anônimo. Significa a retomada dos valores essenciais do ser humano, dos pequenos prazeres do cotidiano, da simplicidade de viver e conviver e até da religião e da fé. Significa um ambiente de trabalho menos coercitivo, mais alegre, mais leve e, portanto, mais produtivo, onde seres humanos felizes fazem, com prazer, o que sabem fazer de melhor.

Precisamos urgentemente pensar em programas para as nossas instituições de “qualidade sem pressa” até para aumentar a qualidade dos serviços sem a necessária perda da qualidade do ser?  Algumas pessoas vivem correndo atrás do tempo, mas parece que só alcançam quando morrem infartados, ou algo assim. Para outros, o tempo demora a passar; ficam ansiosos com o futuro e se esquecem de viver o presente, que é o único tempo que existe. Tempo todo mundo tem por igual. Ninguém tem mais nem menos que 24 horas por dia. A diferença é o que cada um faz do seu tempo.

Precisamos saber aproveitar cada momento, porque, como disse John Lennon, “a vida é aquilo que acontece enquanto fazemos planos para o futuro”. Parabéns por ter lido até o final… Muitos não irão ler esta mensagem até o final, porque não podem perder o seu tempo neste mundo globalizado. Por uma atitude sem pressa vamos refletir sobre nosso cotidiano.

Avaliar

23 Respostas para “Por uma atitude sem pressa”

  • Jane Mafra says:

    Oi Carmem, parabéns pela reflexão. Li até o final! “Degustando”cada palavra. A pandemia tem-nos feito refletir a respeito da vida que estamos levando. E a questão do tempo veio a calhar. Estávamos vivendo num mundo que nos absorvia, de maneira descomunal, sem percebermos que de repente…é tarde demais! De fato, muito apropriado, é hora de retomarmos a vida normal, ou seja, vivenciarmos os prazeres de uma boa mesa com nossa família, vivenciarmos um passeio no campo, a leitura de um bom livro e, o mais importante, nosso relacionamento com Deus!
    Sua reflexão é um presente para seus leitores!

     
  • Cida Gomes says:

    Parabéns,excelente reflexão.

     
  • Rosely Cubo Pinto de Almeida says:

    Reflexões altamente pertinentes nestes tempos ‘sombrios’ de COVID19 em que todos e cada um está sentindo o peso-extensão do resguardo em quarentena.
    Se o coronavírus é um “acelerante de futuros”, também é um “deflagrador potente e potencializador de precariedades” sendo um deles, demarcado pelos estilos de vida apressado e ‘semsentido’ principalmente no que se refere aos modos do indivíduo Ser (Presença) e Estar (Pertença).
    Uma proposta inovadora se refere às experiências de ÓCIO como tempo-espaço ‘comsentido’ em que o indivíduo cria-percepção de desenvolvimento dos conhecimentos, habilidades e competências em vista a aprender-apreender-compreender a vida pelo prisma do Ser-solidário ao invés do Estar-solitário.
    Creio que estas reflexões que a Prof.ª Carmen hoje nos brinda engaja-se perfeitamente aos estudos na área de minhas pesquisas no Doutorado em “Ócio como Âmbito de Desenvolvimento Humano” levadas à cabo desde a Universidad de Deusto em Bilbao/Espanha e Universidade de Aveiro em Portugal.

     
  • Excelente reflexão! Sabemos que o cotidiano não será o mesmo e este período de isolamento fez com que nos reinventarmos e uma coisa é concreta novos valores ressurgiram, e nada será como antes mas como será nós que é que decidimos com nossas escolhas.

    Parabéns

     
  • Graciela Nascimento says:

    Parabéns Carmen. Excelente reflexão. É quando desaceleramos que enxergamos tudo ao nosso redor. A nossa rotina corrida, a própria tecnologia nos afasta de melhores momentos com os outros e com nós mesmos. O que estamos vivendo hoje tem seu lado positivo, tanto na vida pessoal, no trabalho, na economia, na tecnologia, na saúde e em tantos outros ramos. Não sejamos espectadores passivos da nossa vida! Saúde mental é hoje, fundamental.

     
  • Kayo Amado says:

    Linda reflexão! Obrigado por compartilhar!

     
  • Luiz Rogério says:

    Bom dia.Achei bem interessante é atual o texto.Realmente hoje em dia com a correria.Quase ninguém tem paciência para aproveitar melhor o presente momento.Seja em família ou com amigos,perde-se muito tempo com com futilidades.A falta de diálogo entre as pessoas e o ritmo frenético, onde não se tem tempo para troca ideias,falar dos nossos cotidianos e conviver com coisas prazerosas,faz com que o ser humana no fique a mercê dessa falta de sintonia e intimidade do cotidiano dos amigos e familiares.Perdendo o nosso maior tesouro os valores e princípios familiares e a sinceridade.

     
  • Daniela Paschoal says:

    Excelente reflexão, Carmen! De fato, o movimento fast está na contramão da nossa saúde física e mental. Precisamos desacelerar e focar no que realmente importa, nossas relações humanas, o prazer de viver, aproveitar o nosso presente. Para praticarmos soft skills tão importantes como a resiliência, a flexibilidade e a criatividade, é necessário usar o tempo no modo slow.

     
  • Alex Lipszyc says:

    Momento sublime de retorno aos prazeres simples.
    Grande reflexão, Maria Carmen.

     
  • Izabel Guimarães Rodrigues says:

    Belo texto reflexivo, Carmem!
    Cuidar e viver o tempo com sabedoria, desfrutando segundo a segundo a vida, sem pressa.
    O desafio maior é se desfazer da pressa do mundo globalizado, já enraizada.

     
  • Ferial Hachuch Abbas says:

    Oi Carmem sempre brilhando , ne linda , eu não conheço muito bem slow. Food mas com essa quarentenaparace que as coisas melhoraram a alimentação ficou mais devagar , ficamos mais juntos, isso beneficia a saúde qualidade de vida estou no caminho certo , porque já fiz minha hortinha

     
  • Excelente Profª Maria Carmem, sempre esbanjando sabedoria em suas palavras. Teve o privilégio de tê-la como colega de trabalho e hoje como amiga. Deus abençoe sempre!

     
  • Rômulo Corrêa says:

    Excelente texto!

    Preocupação com bem estar, qualidade de vida, saúde mental são fundamentais nos dias de hoje!

    Menos estresse e mais atitude sem pressa!

    Demais!

     
  • Edvaldo Gomes says:

    Maria Carmem Tavares é uma pessoa de um potencial de raciocínio e reflexão muito edificante, particularmente gostei do texto da reflexão, meus parabéns amiga de minha família a 30 anos, você é uma pessoa maravilhosa.Um Forte abraço!

     
  • Machado says:

    A pandemia diminuiu o ritmo da sociedade, mas não a cultura da velocidade.

     
  • Olá, Carmen. Como sempre, o seu texto é assertivo e vem agregar valor à necessidade da busca pela qualidade de vida com a valorização do “ser” em confronto com a busca acelerada do “ter”. Parabéns! Roberto Gameiro

     
  • Márcia Braga says:

    Boas falas!
    Já diziam todas as avós e avôs:
    – “A pressa é inimiga da perfeição!”
    Alem do mais, a falta de percepção que a pressa nos dá, nos impede de vermos as necessidades uns dos outros!
    A me basear pela atual SLOW FOOD, só digo que será um imenso prazer desfrutarmos disso!
    Pra que não comamos nada cru e quente!

     
  • Cida Viana says:

    Ótimo texto!

     
  • Márcia Junqueira says:

    Certíssima a abordagem sobre a qualidade de vida que devemos procurar ter.Vida saudável,sem pressa!

     
  • Nádia Zein says:

    Parabéns muito bom o texto. Concordo que estamos sempre correndo contra o tempo, e , muitas vezes , não percebemos isso. Eu sou a favor do Slow Food.

     
  • Antonio Oliveira says:

    Excelente reflexão. A pandemia nos ajudou a ponderar que precisamos mudar nosso estilo de vida.

     
  • Heloísa Mara says:

    Aproveitei meu tempo com esta leitura. Temos todos 24 horas/dia, precisamos realmente saber aproveitar cada momento, sem pressa, sem correria, tudo tem seu tempo determinado.

     
  • Jane Mafra says:

    Parabéns pelo texto. Precisamos refletir mais sobre o que queremos viver…ou ter!
    Temos somente o hoje. Que saibamos vive-lo intensamente com o que Deus nos proporciona e valorizando o que realmente tem valor!

     

Deixe uma resposta

Números do Ensino Superior

Quer contribuir para o blog da ABMES?

Envie seu artigo para o e-mail comunicacao@abmes.org.br com nome completo, cargo e foto e aguarde nosso contato!

Categorias
Autores
Arquivos