Destaques
Patrocínio
Facebook
Print Friendly, PDF & Email

jacir-venturi2017Jacir J. Venturi
Membro do Conselho Estadual de Educação do PR e coordenador da Universidade Positivo
Foi diretor de escolas e professor da UFPR e da PUCPR
Publicado na Gazeta do Povo, em 3 de novembro de 2019
***

Um escritor espanhol do século 18 dizia que, se rei fosse, determinaria às escolas não mais disciplinas de oratória, e sim de “escutatória”. Parafraseando, em analogia, eu diria que, se rei fosse, universalizaria, em escolas públicas e privadas, ações metodológicas capazes de desenvolver a fluência digital e uma elevada cultura tecnológica.

Se algumas de nossas escolas já estão navegando na Educação 4.0 – alinhada às demandas da Indústria 4.0, como inteligência artificial, robótica, programação, espaços maker, gameficação do ensino –, no outro extremo temos escolas cuja única “revolução” se limita a passar do quadro de giz para a lousa branca – que em tom jocoso se diz Educação 2.0.

Evidentemente, transformar essa realidade das escolas brasileiras demanda vultosos investimentos, uma política de longo prazo e uma intensa capacitação de professores e gestores, para que, ao longo da trajetória escolar, todos os alunos desenvolvam a fluência digital, uma das mais importantes competências do mundo contemporâneo.

Desenvolver uma boa e universal fluência digital é cada vez mais necessário para a empregabilidade e o desenvolvimento do país

Em visita oficial de nove dias ao Vale do Silício em 2018, praticamente em todas as palestras a fluência digital foi enaltecida e apresentada como requisito indispensável para sobrevivência no mundo atual, ao lado das soft skills (competências socioemocionais), as quais não enfoco neste texto.

Assim como a internet foi um poderoso agente de transformação em nosso modus vivendi et operandi – a ponto de alguns dividirem a história em a.w. (antes da web) e d.w. (depois da web) –, muito mais disruptivo e célere será o impacto da Indústria 4.0 na vida e no trabalho. E cabe à escola preparar seus alunos para esse cenário já inserido em nosso cotidiano, dando a eles capacidades e habilidades necessárias para atender às novas demandas do mercado de trabalho.

Em outra frente, apesar de ainda encontrar resistências, já é realidade crescente no Brasil e no mundo o ensino híbrido (ou blended, ou semipresencial), modalidade que combina tanto o professor em sala de aula orientando e expondo conteúdos quanto o discente estudando remotamente em plataformas digitais.

Em nosso país, no entanto, essa pujança da EaD (rubrica na qual se inserem os cursos híbridos, pelos critérios do MEC) é mais notória no ensino superior, o que se constata pela quantidade de calouros da modalidade em nossas faculdades: 1,2 milhão em 2019, o que corresponde a um terço das novas matrículas, sendo as projeções da ABMES, para 2023, de equivalência à oferta presencial. Ademais, há ainda outros 5 a 7 milhões de jovens e adultos em cursos livres e de pós-graduação ofertados a distância.

Na educação básica, um primeiro avanço foi dado no ensino médio, para o qual, ao final de 2018, o Conselho Nacional de Educação determinou carga horária de até 20% a distância. Aos estudantes do noturno, até 30% e, aos da EJA, até 80%. A iniciativa é louvável, pois, no ambiente virtual de aprendizagem, desenvolvem-se características muito valorizadas no mercado de trabalho: disciplina pessoal, gestão do tempo, autodidatismo, fluência digital, foco, maturidade para não embicar para o sedutor mundo digital das redes sociais e outras distrações.

Entretanto, especialmente até o 5.º ano do ensino fundamental, a presença afetiva e cuidadora dos professores é imprescindível para a aprendizagem dos conteúdos e desenvolvimento das habilidades psicomotoras. Nessa etapa, a tecnologia deve ter um papel mais coadjuvante por meio de jogos eletrônicos, aplicativos apropriados à idade e lousas interativas que agucem a curiosidade e favoreçam a ludicidade.

Desenvolver uma boa e universal fluência digital é cada vez mais necessário para a empregabilidade e o desenvolvimento do país. Um estudo que mensura a competitividade entre os países feito pelo IMD, conceituada escola de negócios da Suíça, coloca o Brasil na 57.ª posição entre 63 economias. Esperávamos estar democratizando as oportunidades com as novas tecnologias, mas isso não está ocorrendo em virtude de nossas deletérias desigualdades sociais. Escola e governo precisam assumir as relevantes responsabilidades que lhes cabem, para que as transformações pelas quais o mundo passa sejam oportunidades em vez de obstáculos, inclusão em vez de exclusão, diminuição das desigualdades em vez da intensificação delas.

Avaliar

Deixe uma resposta

Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics