Posts Tagged ‘cotas’

Gabriel Mario Rodrigues2

Gabriel Mario Rodrigues
Presidente do Conselho de Administração da ABMES
***

 

 

“Embora a discriminação racial seja proibida por lei, os critérios de aprovação por meio de entrevista de emprego têm uma carga subjetiva muito maior.” (Márcia Lima)[1]

Recentemente fiz uma pesquisa para ver a representatividade do universitário negro no mercado de trabalho brasileiro e, por incrível que pareça, há muito pouca informação a respeito.

Leia mais »

Avaliar

Antonio Carbonari Netto2

Antonio Carbonari Netto
Vice-presidente do Conselho de Administração da ABMES
Membro do Conselho Nacional da Educação (CNE)
Uol Notícias, publicado em 03 de agosto de 2016
***

Estou encaminhando proposta no âmbito do CNE (Conselho Nacional de Educação) para que as instituições públicas de ensino superior que adotam o sistema de cotas ministrem um semestre, em todos os cursos, destinado ao resgate de conhecimentos básicos mal assimilados no ensino médio.

A ideia é de que a medida tenha caráter de sugestão para as universidades federais, que têm autonomia garantida pela Constituição, e força de norma para as que não são autônomas. Objetivo é possibilitar que os alunos admitidos pelo sistema de cotas, advindos de escolas públicas da educação básica, tenham melhor condição de aprendizado. Ou seja, trata-se de avanço importante para, de fato, democratizar oportunidades.

Leia mais »

Avaliar
Ronaldo MotaRonaldo Mota
Reitor da Universidade Estácio de Sá
Professor aposentado da Universidade Federal de Santa Maria
***

Entre os que defendiam as cotas, eu era do grupo a favor, ainda que cético. Passada uma década ou mais, os resultados são surpreendentemente bons. Temos negros nas universidades como nunca tivemos antes e eles têm se saído relativamente bem. Claro que, além das cotas, a ascensão social das classes mais modestas para a classe média, por si só, também contribuiu, promovendo no Brasil a inclusão social de negros e mulatos, inclusive na educação superior.

O fato específico é que para os negros, que foram escravizados à força porque mais fracos em armamentos, tudo lhes foi negado no passado recente. Principalmente educação em um mundo que nos últimos séculos se guiou pelo conhecimento. Quando eles tiveram a primeira oportunidade de exigir algo, nada mais natural e elogiável que demandassem educação. Educação não é privilégio, é conquista de igualdade de oportunidades. Assim que tivermos a primeira geração de pais negros escolarizados, estaremos, felizmente, dispensados de recorrer às transitórias compensações educacionais.

Leia mais »

Avaliar
Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics