Print Friendly, PDF & Email

Celso Niskier
Diretor presidente da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES)
Reitor do Centro Universitário UniCarioca
***

Em outubro deste ano, a Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) embarca rumo a um novo destino com o objetivo de compartilhar experiências e conhecer boas práticas pedagógicas e gerenciais adotadas por instituições de educação superior mundo a fora. A 3ª Delegação ABMES Internacional aterrissará na China, onde terá a oportunidade de conhecer universidades em Pequim, Xangai, Hong Kong e Macau, e também aprender um pouco mais sobre as tradições e cultura locais.

A iniciativa integra o programa ABMES Internacional, desenvolvido desde 2017 e que contempla uma série de ações estratégicas com o propósito de orientar as instituições de educação superior (IES) do Brasil sobre a internacionalização do ensino, a cooperação entre universidades e associações brasileiras com entidades semelhantes ao redor do planeta e promover a Associação para outras nações e continentes.

O ponto de partida para a idealização do ABMES Internacional foi a convicção de que a internacionalização consiste em um elemento fundamental para o desenvolvimento da educação superior no Brasil. Este, aliás, é o objetivo de todas as ações realizadas pela Associação, que incluem a busca permanente por tecnologias sociais e educacionais capazes de aprimorar o processo educacional brasileiro.

E foi por isso que, em 2017 e em 2018, a ABMES levou para a Rússia e para Israel, respectivamente, não apenas representantes das IES, mas também do Congresso Nacional e do Ministério da Educação (MEC) visando cooperar para a disseminação de novas práticas, soluções e visões capazes de incidir na formulação de políticas públicas voltadas para a melhoria do ensino superior ofertado no Brasil.

Os quase dezessete mil quilômetros que serão percorridos até a China se justificam pela busca da compreensão sobre como as instituições particulares brasileiras podem contribuir para que o país avance nos seus índices de produtividade, competitividade e inovação a partir da oferta de conteúdos e estruturas educacionais que colaborem para a construção de novos paradigmas na esfera da educação superior.

A escolha da China se deu, em grande parte, por conta dos progressos ocorridos nas últimas décadas e que transformaram o país em uma potência em diversas áreas, inclusive nos campos da educação e da inovação. As similaridades entre ambas as nações, como o tamanho continental, o crescimento do setor particular de educação superior e o boom das startups chinesas, foram outros pontos considerados na escolha. Aliado a isso, recentemente foi criada em Pequim uma faculdade dedicada ao ensino do português associado a conhecimentos mais aprofundados sobre os países lusófonos visando o incremento do intercâmbio internacional.

Outro aspecto que a torna um destino atraente para o grupo composto por representantes de mais de 15 faculdades, centros universitários e universidades de todo o Brasil é a vocação do país para a internacionalização das suas instituições de ensino. Hoje, a China é o terceiro destino mais popular do mundo para estudantes estrangeiros, atrás apenas dos Estados Unidos e do Reino Unido.

Os números mais recentes apontam que cerca de 490 mil estudantes internacionais estavam matriculados em universidades chinesas em 2017 (10% a mais do que em 2016), com destaque para os sul-coreanos, tailandeses e paquistaneses. No Brasil, dos 16.528 estrangeiros que frequentavam as instituições de educação superior naquele ano, apenas 259 eram chineses.

Por isso, ao visitar algumas das principais universidades do gigante asiático, a delegação internacional pretende estreitar relacionamentos e construir pontes entre as instituições de ambos os países visando ampliar o intercâmbio de estudantes e docentes, além do desenvolvimento conjunto de projetos e pesquisas.

Para contribuir, durante a delegação serão assinados termos de cooperação entre a Associação e instituições chinesas, a exemplo do que foi feito na Rússia e em Israel. Tratam-se de documentos que facilitam o diálogo entre as instituições daquele país e as associadas da ABMES, que hoje representam mais de 2.500 unidades educacionais em todo o Brasil, respeitando as características e particularidades de cada universidade.

Serão quinze dias de trabalho intenso, mas também de congraçamento entre o grupo e de visitas a locais únicos como a Muralha da China e a Cidade Proibida, pois conhecer parte da história e da cultura locais não só amplia a bagagem individual de cada participante, mas contribui para que o setor particular de educação superior compreenda melhor as bases sobre as quais aquela sociedade foi construída e que ainda hoje refletem na sua forma de educar e de estabelecer parcerias.

Segundo a mitologia, o dragão chinês foi um dos quatro animais sagrados que participaram da criação do mundo e tem a sabedoria entre seus simbolismos. Não há dúvida de que a China contemporânea absorveu dessa sapiência para transformar-se na atual potência global que representa. Ao embarcar rumo a essa fonte de inspiração que mistura tradição e modernidade, são grandes as expectativas do setor com relação aos resultados da 3ª Delegação ABMES Internacional. É com esse espírito que o grupo embarcará em 10 de outubro de 2019 rumo ao outro lado do planeta. Não haveria como ser diferente.

Avaliar

Deixe uma resposta

Números do Ensino Superior
Categorias
Autores
Arquivos
Visitantes
wordpress analytics